51 comentários até agora. Comente você também!

  1. Débora Mikaele Fernandes Felipe disse:

    Muito bom o depoimento, só não concordo com a fala em que ela diz que chega na sala e o professor está trabalhado com “joguinhos “, infelizmente existe esse julgamento com o prof do AEE, será que esse joguinho o professor não estava trabalhando as dificuldades do aluno na coordenação motora, no movimento de pinça, no aspecto cognitivo, na concentração, na memória, no raciocínio logico e muitas outras habilidades que poderia citar, somente quem trabalha na área realmente sabe o que um simples joguinho pode contribuir para que o aluno possa ser capaz de ter acesso ao conhecimento que está sendo trabalhado na sala comum

  2. MARIA LUISA SANTOS DUARTE disse:

    Olá, Família Itard!
    Depoimento Impressionante de Hercília, apesar dessa realidade ser comum, em vários locais desse nosso imenso país, não só nas escolas públicas, como também nas privadas. Falta infra estrutura para a Escola ser realmente inclusiva. É desafiador para o professor. Faltam profissionais especializados e também comprometidos. É necessário o envolvimento da família, escola, comunidade e profissionais capacitados. Hercília está de parabéns! Professora experiente, de uma trajetória enriquecedora e motivadora, e ainda com a preocupação em dar um atendimento digno, de excelência, aos alunos especiais, por estar em busca do conhecimento e procurar soluções para a escola onde atua. Expôs as dificuldades que enfrenta, mas quer fazer a diferença. Felizmente ela está no lugar certo: Instituto Itard. Você, Leandro e Ana, com certeza irão auxiliá-la a encontrar estratégias que estimulem o desenvolvimento desses alunos tão discriminados e excluídos. Leandro, você nos mostra que há sempre uma luz no fim do túnel. O importante, é não desistir e Hercília, é um exemplo de perseverança! Abraços inclusivos!

    • Letícia (Equipe Família Itard) disse:

      Olá, Maria Luísa!
      Gratidão pelo seu comentário, foi muito proveitoso! 😍
      Educação Inclusiva é um grande desafio, e para que ela ocorra é necessária o envolvimento de TODOS! É fundamental o apoio entre os alunos, professores, famílias, gestores escolares e profissionais da saúde que são responsáveis pelas crianças com necessidades educacionais especiais! 🤗 Para que a inclusão escolar aconteça de maneira eficiente, é primordial que a escola se adapte ao aluno com necessidades especiais, e não o contrário! Abraços Inclusivos!!

  3. Maria Lima Rodrigues Filha disse:

    Diálogo com a Sr.ª Hercília muito enriquecedor e proveitoso!
    Parabéns, professor Leandro por nos proporcionar mais uma aula excelente.
    O processo de inclusão escolar é um desafio muito grande. Pais, alunos e professores sofrem com a falta de uma educação especial e inclusiva nas escolas brasileiras. Existem leis bem claras que dão ao aluno o direito a uma educação inclusiva, no entanto, para que isso ocorra, torna-se necessário romper grandes desafios ligados a formação de profissionais, adequação de material didático, adequação pedagógica e de infraestrutura.

  4. Sônia Ricca disse:

    Boa noite, Leandro!
    Essa entrevista com a Sra. Hercilia foi muito produtiva, pois ela relatou a real situação das escolas públicas e de seus profissionais com relação à educação inclusiva.
    Isso nos faz pensar que temos muito a fazer por essas crianças, jovens e adultos com DI.
    Obrigada! Abraços!

  5. Lilianne de Sousa Gomes Barbalho disse:

    Sala de Recursos multifuncionais não é reforço. Acredito que ainda falta muito coisa acontecer,principalmente uma grade curricular em todos os cursos universitários . Porque botar somente a responsabilidades para os professores é algo meio que injusto. Sou pedagoga e sempre busquei o conhecimento, principalmente quando sei que parte da responsabilidade está sobre mim,mas pensar que tudo pode ser resolvido na escola,creio que não é muito por aí. Só quem sabe o que é uma sala de aula com várias crianças,sabe o quanto não é nada fácil. O profissional de apoio, aqui em Roraima,chamamos de cuidador. Qual a necessidade desse profissional ter faculdade? Mesmo que tivesse, o que tem de profissional com nível superior que não sabe lidar com a situação da inclusão. Sou também especialista no AEE, e sempre busco fazer cursos e mais cursos,mesmo sabendo que cada criança tem suas especificidades . Falar que é fácil,não é mesmo. Já estou um bom tempo na área e procuro sempre superar os desafios encontrados no meio do caminho. As suas colocações,Leandro, foram fundamentais, é preciso que todos estejam envolvidos.

    • Letícia (Equipe Família Itard) disse:

      Olá, Liliane!
      Parabéns pelo seu empenho, sua dedicação, sua força de vontade, sua capacitação e sua trajetória!🎉
      É de profissionais assim, como você, que a educação inclusiva precisa!!!
      A Educação Inclusiva é uma prática em construção, são muitos desafios a serem enfrentados, mas a iniciativa e dedicação de professores, como você, são fundamentais! 🙌🏼

  6. Flávia C. Chaves de Oliveira disse:

    Leandro, achei fantástica a troca de experiência com a prof Hercília, muito embora a realidade do estado de Goiás esteja bem atrás do acompanhamento dos alunos de inclusão na questão de gestão administrativa comparando com outros estados, por exemplo o meu. Começando do ensino superior que pelo que a professora colocou a grade curricular das faculdades e universidades não oferecem os componentes curriculares voltados à inclusão. E você percebe as falhas desde o profissional de apoio que só tem formação de ensino médio. Então, falta uma reformulação na estrutura e funcionamento do ensino para proporcionar formação para toda as comunidades escolares em todos os níveis e modalidades de ensino. Muito bom conhecermos experiências de outras cidades e estados. E suas orientações para a professora Hercília foram extremamente inclusivas. Este é o caminho. Realmente, nós da “ponta” da área educacional é que sabemos da realidade. Parabéns a nós que não desistimos dos nossos alunos.

    • Letícia (Equipe Família Itard) disse:

      Olá, Flávia!
      Agradecemos sua participação!🤗
      Exatamente! A educação inclusiva é um grande desafio, é necessário fortalecer a formação do corpo docente e incentivar uma grande rede de apoio entre os alunos, professores, famílias, gestores escolares e profissionais da saúde que são responsáveis pelas crianças com necessidades educacionais especiais… e principalmente, “não desistir dos alunos”, como você citou no seu comentário! 😍

  7. CELIA LOURDES MAGALHÃES BATISTA DA SILVA disse:

    Boa Noite, Leandro !!
    Me identifiquei muito com Hercília, tanto com as questões de inclusão como a pulsão de vida para aprender. Tenho 68 anos, sou aposentda do Estado e trabalho no AEE numa Escola Municipal do Recife. Tenho duas graduações ( Psicologia e Pedagogia), várias Pós Graduações (Psicologia Escolar/Clínica), Psicomotricidade, AEE, Psicopedagogia além de cursos de aperfeiçoamento ( ABA, Tiflologia, Libras, Método Fônico, Recursos Tecnológico, etc).
    Em relação a inclusão são muitas minhas inquietações pois é dífícil encontrar profissionais com um olhar inclusivo. Luto muito, para essas crianças, terem seuss direitos garantidos de permanecerem 2 anos numa série, qdo ainda está em construção,no processo de escrita e leitura, muitas vezes sem sucesso.
    Nas aulas remotas me dispus a fazer parcerias com o professorado nas tarefas como nas orientações as famílias via zapp. Os alunos com deficiência intelectual tenho mantido o AEE duas vezes por semana, onde mando atividades especifícas, de acordo com o PDI, onde ao realizarem mandam a foto e recebem a devolutiva através do aplicativo de correção do zap que contem várias opções de reforço positivo como : Emoji, correção com texto ou lápis coloridos. Para um autista sem oralidade e hiperativo tenho orientado os pais a assistirem alguns vídeos do Instituto Farol de curta duração com enfoque na Análise do Comportamento.

  8. Maria Cineide Silva Ramos disse:

    Que bate papo rico com essas duas profissionais e sua intermediação Leandro, a Fernanda com um mundo de possibilidades, com muita vontade de aprender, isso é maravilhoso! A Hercília com um vasto conhecimento acadêmico que veio somar na educação inclusiva que é tão carente de professores que realmente vestem a camisa da inclusão, parabéns pelo grande debate de ideias, aprendo muito com vocês!

  9. Elizângela Gonçalves disse:

    Parabéns, Hercília e Leandro!!! Obrigada por tamanho ensinamento, infelizmente à educação está muito longe da perfeição, mais eu acredito que o amor vence qualquer imperfeição não iremos conseguir mudar o mundo mas, já fazendo a nossa parte, com certeza muda-se alguma coisa nem que seja um pouquinho vale a pena.

  10. Jeane Marques disse:

    Hercília você é uma graça!!!. Leandro ela tem muito a nos ensinar, não é mesmo? As vezes pensamos que só nossa rede apresenta problemas, mas existem outros maiores. Mas com certeza essas trocas de informações iremos melhorar muito o nosso conhecimento. Hercília e Leandro abraço virtual e inclusivo para vocês.

  11. Magda Paraíso disse:

    Boa tarde Leandro!´
    É verdade que infelizmente a maioria dos profissionais não estão capacitados para a diversidade de necessidades especiais que temos recebido em nossas escolas. O pior é que são poucos que buscam entender cada processo que é único e individual de cada sujeito e na maioria das vezes ignoram esses alunos e desacreditam na gama de possibilidades de aprendizagem que cada um tem dentro de si e que podem sim aprender.Estou amando suas aulas e assim como a Hercília, concordo que esses profissionais deveriam participar da família itard, pois a maioria das capacitações que já participei não prepara para a prática. Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *